Rinite

A rinite é uma inflamação que atinge e incomoda grande parte da população brasileira. Entre os principais fatores envolvidos para o seu desenvolvimento, estão: genética, histórico familiar de alergias, tabagismo ativo e passivo, poluição, ar frio, umidade, variações climáticas e hábitos de vida¹. Visto isso, nós explicaremos tudo o que você precisa saber sobre a rinite, além de dicas para amenizar os sintomas e como o Sterilair pode ajudar nesse sentido. Confira! Fonte: Shutterstock.

Rinite e sinusite: quais as diferenças?

Ambas são causadas por inflamação. No entanto, a rinite é a irritação da mucosa nasal e pode ser desencadeada de várias formas. Já a sinusite atinge a mucosa dos seios da face e, por isso, tem como principal característica a pressão ou dor no rosto. Veja outros sintomas da sinusite: Redução ou perda do olfato; Dor de ouvido; Dor de cabeça; Garganta inflamada; Febre; Congestão nasal; Tosse.

Tipos de rinite

As rinites podem ser classificadas de duas formas: rinite aguda – quando os sintomas duram entre 7 e 10 dias – e rinite crônica – quando persistem por mais de três meses. Além disso, existem subcategorias. Por esse motivo, é fundamental conhecer e diferenciar cada uma para, assim, tratar de maneira correta.

Rinite alérgica

A rinite alérgica é o problema respiratório com maior prevalência no mundo². Isso porque o nariz é a porta de entrada para o ar, e as substâncias levadas por ele podem causar alergia, como ácaros e esporos de mofo. Em grande parte dos casos, está associada com a asma³. Desse modo, além dos próprios sintomas da rinite, há dificuldade para respirar, dor no peito e respiração ofegante.

Rinite alérgica: sintomas

Mais comuns:

  • Irritação no nariz, nos olhos ou na garganta;
  • Problemas com odores;
  • Coriza;
  • Espirros;
  • Lacrimejamento nos olhos.

Outros:

  • Congestão nasal;
  • Tosse;
  • Diminuição da audição e do olfato;
  • Dor de garganta;
  • Olheiras e olhos inchados;
  • Fadiga e irritabilidade;
  • Cefaleia.

Rinite vasomotora

Também conhecida como rinite não-alérgica, ocorre quando os vasos sanguíneos do nariz se dilatam, provocando inchaço e congestão. Embora os sintomas sejam conhecidos, ainda não se sabe ao certo por que isso acontece, mas há evidências de causas emocionais e hormonais.

Quais os sintomas da rinite vasomotora?

  • Nariz entupido;
  • Coriza constante;
  • Sensação de secreção na garganta;
  • Coceira no nariz;
  • Vermelhidão nos olhos.

Rinite infecciosa

O resfriado, por exemplo, é uma rinite infecciosa. Geralmente, acontece quando o sistema imune está fraco e com poucos anticorpos para defender o organismo de vírus ou bactérias. Assim, os microrganismos se estabelecem sem dificuldade na mucosa nasal, ocasionando uma inflamação.

Sintomas de rinite infecciosa

  • Constipação de origem viral;
  • Espirros;
  • Mal-estar;
  • Sensação de cansaço;
  • Dor de cabeça;
  • Dor de garganta e rouquidão;
  • Febre;
  • Diminuição do olfato e do paladar.

Rinite mista

É a combinação da rinite alérgica com a vasomotora. O indivíduo apresenta não só uma inflamação na mucosa nasal por sensibilidade a alérgenos, mas também dilatação dos vasos.

Será que rinite tem cura?

Infelizmente, ainda não foi descoberta a cura. A boa notícia é que as opções de tratamento para rinite funcionam muito bem! Especialmente se você apresentar os sintomas durante um período superior a três meses, é necessário consultar um otorrinolaringologista. Ele fará testes cutâneos e exames de sangue para avaliar o tratamento mais adequado para você.

Na maior parte dos casos, são receitados medicamentos (que variam de acordo com o tipo da sua rinite). Para a rinite alérgica, também há recomendações referentes à higiene da casa, uso de purificadores de ar, quais objetos ter e não ter.

Rinite em bebê e criança

Segundo estatísticas, a rinite alérgica acomete 30% a 40% das crianças4. Entretanto, muitas mães, pais ou responsáveis têm dificuldade de identificar a doença – especialmente, quando a criança ainda não sabe falar. Os sintomas que podem ser observados com mais facilidade são: coriza intensa, tosse e espirros frequentes, roncar durante o sono e esfregar as mãozinhas no nariz, olhos ou orelhas constantemente.

Além disso, vale prestar atenção se o pequeno apresenta irritabilidade, sono interrompido e menos vontade de comer e brincar. A partir de um ano de idade, já é possível realizar o diagnóstico com um pediatra. Em casos leves a moderados, recomenda-se oferecer água diversas vezes por dia, limpeza do nariz com soro fisiológico e não expor a criança a possíveis substâncias alérgicas, como poeira e pêlo de animais.

Alterações climáticas x Rinite alérgica

Rinite atacada sempre quando o clima muda repentinamente, no inverno e no outono? Fique tranquilo, pois isso é muito comum. O clima e a umidade têm muita influência sob o sistema respiratório, representando 55% das crises de alergia. Quando os dias estão mais secos, a poluição aumenta, agravando as crises. Nessas épocas do ano, temos o hábito de fechar as janelas – o que favorece a proliferação de ácaros e mofo. Portanto, não se esqueça de deixar o ambiente ventilar sempre que possível, e vale a pena adquirir um esterilizador de ar.

Saiba como o Sterilair pode melhorar a sua qualidade de vida

O Sterilair é um aparelho que elimina até 99,9% dos microrganismos suspensos no ar do cômodo6, como vírus, fungos (mofo e bolor) e bactérias. Além disso, ele reduz significativamente a quantidade de ácaros. Visto que uma das principais causas da rinite alérgica é a presença desses alérgenos, o Sterilair pode ajudar (e muito!) a diminuir os sintomas. Porém, é muito importante entender que o Sterilair é um purificador de AR, não agindo em superfícies, tecidos e objetos. Devido a esse fato, outras medidas podem ser tomadas para evitar a rinite. Veja como a seguir!

O que fazer para controlar a rinite alérgica?

Um ambiente limpo, seco e arejado é essencial para evitar a proliferação de alérgenos. Isso porque eles se aproveitam de locais úmidos, pouco ventilados e iluminados para crescer. Não é indicado utilizar vassoura ou espanador para tirar as impurezas, uma vez que faz com que elas ‘’subam’’, piorando ainda mais os sintomas da rinite alérgica. Evite o contato com bichos de pelúcia e cobertores de lã, e prefira pisos lisos a carpetes e tapetes. Já em relação aos animais de estimação, mantenha os pêlos mais curtos e leve-os para tomar banho pelo menos uma vez por semana. Não se esqueça de se hidratar e evitar cheiros fortes como perfumes, tintas e produtos de limpeza. Deixar de fumar ou não permanecer em local com fumaça de cigarro também é um grande diferencial para controlar a rinite. Lavar o nariz com soro fisiológico e aplicar descongestionantes também são boas alternativas. Mas atenção! Fazer isso com frequência pode desenvolver rinite mecânica e dependência.

Produtos naturais para aliviar os sintomas da rinite

  • Chá de hortelã

Inspirar o vapor desse chá por 10 minutos é ótimo para facilitar a saída de secreções.

  • Chá de eucalipto

Beba o chá de eucalipto para fortalecer a imunidade e combater qualquer problema respiratório, como rinite, gripes e resfriados.

  • Chá de gengibre

Tomar chá e mastigar pequenos pedaços de gengibre alivia os sintomas de congestão nasal, tosse e dor de cabeça.

  • Alho

Mastigue 2 a 3 dentes de alho crus para combater a rinite, visto que ele é um poderoso anti-histamínico.

  • Vinagre de maçã

Não aguenta mais espirrar o dia todo? Misture e beba 2 colheres de vinagre de maçã, um copo de água morna, 1 colher de chá de mel e suco de limão.

Entenda mais sobre o Sterilair

Em nosso site, você pode ver mais informações sobre o aparelho, esclarecer dúvidas e até mesmo conferir as avaliações de quem tem rinite e usou. A mamãe da Ayumi (do @bloguinhodaaymi), por exemplo, adorou o purificador de ar Sterilair! https://www.youtube.com/watch?time_continue=9&v=t11928RagNI

Referências bibliográficas:

1 BRANCO, Anete; FERRARI, Giesela Fleischer; WEBER, Silke Anna T.
Alterações orofaciais em doenças alérgicas de vias aéreas. 2007.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rpp/v25n3/a12v25n3.pdf>. Acesso em: 10 set. 2019.

2 IBIAPINA, Cássio da Cunha et al.
Rinite alérgica: aspectos epidemiológicos, diagnósticos e terapêuticos. 2008.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v34n4/v34n4a08.pdf>. Acesso em: 10 set. 2019.

3 CAMARGOS, Paulo Augusto Moreira et al.
Asma e rinite alérgica como expressão de uma única doença: um paradigma em construção. 2002.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jped/v78s2/v78n8a03.pdf>. Acesso em: 10 set. 2019.

4 DA SILVA, Carlos Henrique Martins et al.
Qualidade de vida em crianças e adolescentes com rinite alérgica. 2019.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/bjorl/v75n5/pt_v75n5a05.pdf>. Acesso em: 10 set. 2019.

5 CORTI, Ana Cláudia Ribeiro et al.
Rinite alérgica e sua interferência na vida de crianças e adolescentes acompanhados em serviço de referência. 2010.
Disponível em: <https://pdfs.semanticscholar.org/dfa8/7b4c0fdbfcabd02d09a85902b444f4c419bb.pdf>. Acesso em: 10 set. 2019.

6 NEW YORK TESTING LABORATORIES.
Avaliação do Sterilair contra bactérias e fungos. Nova Iorque, 1998.
Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/0B2i2rUDirDciSmJZejBNczNIYTA/view>. Acesso em: 10 set. 2019.